Por Jorge A. de M. Acosta Junior

Em janeiro de 1990, Grant Morrison fez um favor a todos nós, alertando-nos sobre os perigos que começam a desenhar o mundo de modo quase imperceptível, como as energias invisíveis do Professor Horrobin. Tudo isso em Hellblazer #25 e #26, onde o mago John Constantine, durante uma trip por um Reino Unido tão sombrio como a alma humana, desembarca em Thursdyke, uma pequena vila onde uma base do exército norte-americano realiza algumas experiências.

“ Na Inglaterra de Thatcher, cada um se vira como pode. ”

As palavras do homem que leva Constantine até a pequena vila dão sentido a grande alegoria criada por Morrison, a grande orgia de desejos mórbidos no carnaval de Thursdyke é o reflexo do furor neoliberal da política da Dama de Ferro. Ainda, Morrison aborda a morte de Deus e o estabelecimento da ciência como “nova religião”, nas palavras do Professor Horrobin. Ou seja, o desfecho macabro e apocalíptico de nossa sociedade é justamente o entrelaçamento das máscaras do capitalismo selvagem de Thatcher e do ritmo frenético da razão científica emitida pela ilusória maquina vazia.

http://cdn.atl.clicrbs.com.br/wp-content/uploads/sites/27/2015/12/hb3thatcher-896x839.jpg

“ Deus nos abandonou, Sr. Constantine. ”

“ Ah, empregos… em outras épocas as pessoas vendiam a alma em troca da imortalidade ou de riquezas. Agora somos comprados e vendidos com a promessa de empregos. “

– Padre Godfrey Bayliss

“ Estão brincando com máscaras as vésperas do apocalipse…” reclama um cidadão de Thursdyke, embora ele perceba que algo errado está acontecendo na cidade, não é possível perceber que as próprias máscaras são o apocalipse. Quando todos começam a ouvir a MÚSICA DA TRANSFIGURAÇÃO colocam suas máscaras e partem numa marcha desvairada realizando todos seus desejos mais obscuros, fazendo nascer em si o que o Professor Horrobin chama de “um ‘REI-DEUS’ de potencial irrealizado”.

Não estaria Morrison descrevendo a sociedade consumista num espetáculo sem fim?

Seriam as máscaras da marcha insana a nossa facilidade de deixar que simulacros midiáticos assumam o papel central de nossas vidas?

A marcha não seria nossa demente compulsão de realizar nossos desejos do “Ter”, consumindo nós mesmos?
A TRANSFIGURAÇÃO é a corrupção do desejo, a morte do amor em cada um de nós, é a dominação do ódio e da competição na sociedade capitalista/instrumental. É o pai que mata a mulher e o filho recém-nascido, por não aceitar não ser mais o bebê da família. Esta é a metáfora chave do conto de Morrison, o homem como bebê eterno, preso nos desejos infantis do consumo e da diversão. Ao assumir a horda da loucura, o Arcebispo Bomba pastoreia seus súditos numa caminhada ao encontro de Azrael, o anjo da morte, numa procissão à autodestruição.

http://cdn.atl.clicrbs.com.br/wp-content/uploads/sites/27/2015/12/03-18-2012-022800PM-620x950.jpg

Não seria um aviso para nossa sociedade autodestrutiva???

O horror em Hellblazer #25 e #26 não nasce na fantasia, em demônios vindos das profundezas do inferno para assolar a humanidade. Pelo contrário, é a própria humanidade fazendo nascer o inferno na Terra, emergido de dentro de cada alma.

Related Post


0 comentário sobre “O alerta do mago: um presságio do horror social em Hellblazer”

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

HQs e cultura nerd

Memória e testemunho de uma revolução em HQ

Por Thuanny Bedinote   A História em Quadrinhos que iremos apresentar, Cuba: minha revolução, de Inverna Lockpez e Dean Haspel e José Villarrubia, tem valor testemunhal, contribuindo como um receptor de memória.   Podemos inferir Leia mais…

HQs e cultura nerd

As mulheres nas histórias em quadrinhos: As super-heroínas e a desigualdade entre homens e mulheres

  As HQs sempre trouxeram a discussão sobre a diferença para dentro de suas páginas. Elas foram as pioneiras em trazer tais questões para os meios de comunicação de massa. Questões sobre direitos humanos, o Leia mais…

HQs e cultura nerd

A morte e as fases do luto dentro da cultura pop

 Por Marcelo Franco Uma lenda é contada através dos tempos, modificando-se pela imaginação do povo, que aos poucos acaba por delinear novos contornos à tradição. Quando falamos do personagem fictício “Capitão América”, logo vêm à Leia mais…