Por Marcelo Franco

Que as histórias em quadrinhos podem assumir um importante papel no desenvolvimento cognitivo e intelectual do indivíduo, já está comprovado. Mas, além disso, as HQs continuam se destacando no campo educacional, onde as imagens e as sequências de desenhos atraem e auxiliam de forma singular a melhorar o desenvolvimento do indivíduo na medida em que agrega vocabulário e acrescenta maior agilidade ao seu raciocínio.

A Arte sequencial, área pertinente ao estudo e pesquisa dos quadrinhos, permite que de alguma forma a criança, mesmo antes de aprender a ler, compreenda o sentido da história animada. Os quadrinhos ajudam a criança pensar melhor, aguçam sua observação, aumentam a concentração, desenvolvem a criatividade e a ambientam com as letras e outros sentidos cognitivos.

Mas podemos enfatizar que não apenas as crianças e adolescentes se aproveitam da leitura de quadrinhos. Hoje, com o crescimento dos tipos de HQs e surgimento das diferentes linhas e estilos de histórias, outra faixa etária está se interessando e beneficiando com esse tipo de leitura, os adultos. Atualmente já encontramos lojas especializadas em histórias direcionadas ao público adulto, que é um forte consumidor de HQs e seus diversos formatos.

Entre os formatos de HQs, existe um que é interessante pelo seu formato que vem sempre desenhado em preto e branco, trata-se dos Mangás, que são de origem japonesa e seu consumo cresce absurdamente entre os apaixonados por quadrinhos. Nessa linha podemos citar uma versão do livro A interpretação dos sonhos de Sigmund Freud, que traz de forma interessante o início das pesquisas desse importante psicanalista, em versão mangá.

A interpretação dos sonhos, de Sigmund Freud é um livro onde o psicanalista pesquisa os sonhos dos pacientes. A edição da obra que irei comentar é mais singular, pois consiste em uma versão pocket em quadrinhos, ou melhor, dizendo, em Mangá, um gênero de história que mescla a cultura japonesa clássica com as HQs ocidentais.

Nessa versão pode-se conhecer um pouco da história de Sigmund Freud, desde o início de sua carreira como estudante e pesquisador. Narra sua dificuldade em descobrir o que acontecia com pacientes que se diziam doentes, quando os médicos da época não acreditavam em suas doenças, pois não entendiam o que se passava, e atestavam “eles não tem problema algum, mas sentem sintomas de doença por imaginação ou fantasia” (pag. 15). Os conflitos com outros pesquisadores da época que discordavam das ideias de Freud, passando por seus próprios conflitos pessoais e sua auto avaliação também são abordados pelo autor. Além disto, o livro contém relatos de palestras que iniciaram os estudos da psicanálise em 1917, originando conceitos que deram fundamento a outros títulos importantes como “O mal-estar na cultura” (1930). O mangá reúne algumas das principais ideias do psicanalista, que explora a vida em sociedade e o inconsciente, não deixando de citar passagens importantes da trajetória deste importante pensador que viveu sua vida para o estudo do comportamento humano. Essa obra consubstancia o limite entre os artigos pré-psicanalíticos de Sigmund e o início da psicanálise.

O formato da publicação, com aparência de quadrinhos, inova e desperta a atenção dos adolescentes, motivando a leitura, levando ao mundo do adolescente um texto mais solto e leve, mas não menos comprometido.

fr

Sigmund Freud nascido em 6 de maio de 1856 na Áustria, hoje República Tcheca, era filho de Jacob Freud e Amalie Nathanson, que tinham origem judaica. Freud casou-se com Martha Bernays com quem teve seis filhos, entre eles Anna Freud, futura psicanalista.  Podemos descrever informalmente o quotidiano de Freud como o de um homem que trabalhava por longas horas e adorava ficar com os filhos durante as férias de verão.

O jovem Freud desde cedo demonstrava que seria um grande pesquisador, seu empenho e dedicação nos estudos mostravam o que o futuro psicanalista desejava. Sua esposa mostrava-se uma mulher dedicada ao lar, possibilitando que o esposo se dedicasse ao máximo às pesquisas e casos, o que lhe tomava o maior tempo de seu dia-a-dia.

Essa história em versão mangá, que tem a tradução da versão japonesa feita por Drik Sada, é dividida em seis capítulos, que evoluem desde a introdução da psicanálise, abordando o desbravamento da mente e a interpretação dos sonhos, seguindo através da abordagem dos movimentos da psicanálise, até culminar com desfecho que ressalta o teor de “O mal-estar na cultura”. No início, Freud é um simples estudante de medicina, que junto a outros médicos tentava desvendar os mistérios e possíveis causas de doenças ainda não entendidas pela medicina da época. Ganhou uma bolsa de estudos, mas por ser judeu descobriu que nesta instituição teria dificuldades para desenvolver suas pesquisas e ser aceito como outro estudante qualquer “Não há talento que alcance o sucesso num ambiente que não o reconhece” (pag. 28).

O mangá segue mostrando as dificuldades do jovem cientista em descobrir o que realmente acontecia aos pacientes que sofriam, mostrando-o sempre dedicado e de certa forma obcecado pelo conhecimento e por futuras descobertas. Ele viaja para Paris, onde participa dos seminários do professor Charcot que estuda sintomas de histeria por meio da hipnose. Freud não consegue as respostas que procura, mas a experiência foi válida e nosso jovem Freud segue estudando a mente humana e volta para casa, momento a partir do qual começa a atender pacientes.

freud

Histeria vem do grego “Hysteron”, médicos da época se valem de termos antigos para vincular os termos científicos. Freud segue seus estudos, mas encontra resistência de alguns colegas da época, o que lhe faz se dedicar ainda mais aos estudos. Nisso surge o caso de “Anna O”, que se tornaria um ponto importante para as futuras descobertas do jovem Freud, que segue atendendo seus pacientes segundo suas convicções e estudos particulares.

“Sinta-se livre. E vá contando o que vier à cabeça. Por mais banal que seja. Pode tentar associar uma coisa a outra, para ir recordando” (pag. 109). Assim começavam as sessões de Sigmund Freud, chamando futuramente de “livre associação” ou “associação livre”. Com o desenrolar da história, Freud consegue aprimorar o método e fazer descobertas muito importantes para a ciência, batizando a metodologia por ele desenvolvida de “Psicanálise”.

Ao longo do mangá, seguem aparecendo às descobertas do jovem Freud, tais como relação do complexo de Édipo e conceitos fundamentais como Id, Ego e Superego, além de outros como os relativos à Narciso, sublimação e negação. Além do seu rompimento com o jovem Carl Gustav Jung, que já não tinha a mesma sincronia para futuras descobertas, as pequenas diferenças conceituais entre eles não puderam ser mais ignoradas, fazendo cada um seguir o seu caminho.

Freud ainda enfrentaria a primeira guerra mundial, “Era a eclosão da Primeira Guerra Mundial….. uma batalha que expôs todo o instinto cruel que o homem, ao longo da história, foi incapaz de domesticar”. (pag. 191) Sigmund Freud após todas essas dificuldades seguiria com suas pesquisas, seminários e palestras ao longo de sua vida.

A interpretação dos sonhos / Sigmund Freud; 1. ed. – Porto Alegre, RS: L&PM, 2015.

 

Related Post


0 comentário sobre “O jovem Freud e a análise dos sonhos”

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

HQs e cultura nerd

Memória e testemunho de uma revolução em HQ

Por Thuanny Bedinote   A História em Quadrinhos que iremos apresentar, Cuba: minha revolução, de Inverna Lockpez e Dean Haspel e José Villarrubia, tem valor testemunhal, contribuindo como um receptor de memória.   Podemos inferir Leia mais…

HQs e cultura nerd

As mulheres nas histórias em quadrinhos: As super-heroínas e a desigualdade entre homens e mulheres

  As HQs sempre trouxeram a discussão sobre a diferença para dentro de suas páginas. Elas foram as pioneiras em trazer tais questões para os meios de comunicação de massa. Questões sobre direitos humanos, o Leia mais…

HQs e cultura nerd

A morte e as fases do luto dentro da cultura pop

 Por Marcelo Franco Uma lenda é contada através dos tempos, modificando-se pela imaginação do povo, que aos poucos acaba por delinear novos contornos à tradição. Quando falamos do personagem fictício “Capitão América”, logo vêm à Leia mais…