166011371A declaração do Candombe como Patrimônio Cultural do Uruguai Nação, conjuntamente com a declaração do dia nacional do Candombe na cultura Afro uruguaia, vem promover a Equidade Racial pela Lei 18.059. No Uruguai, celebra culturalmente a perspectiva de uma sociedade sem discriminação social e racial, dedicados a reconhecer e difundir os grandes portes destas comunidades na conformação da identidade nacional e cultural do Uruguai.

Montevidéu: porto de chegada dos negros africanos escravizados

O bairro Sul encontra-se entre as ruas Ciudadela, Canelones, Ejido, Calçadão Gran Bretña e Calçadão Republica Argentina. Na metade do século XVIII, Montevidéu era a única entrada do Rio da Prata dos negros africanos escravizados. Ao final do século, estima-se que 30% da população de Montevidéu era de origem africano.

O primeiro poema e a música

Em 1930, surge o primeiro poema de Candombe. Foi publicado na língua Boçal (refere-se ao negro nascido na áfrica e que ainda não tinha adquirido a cultura europeia). Através de poemas e manifestações culturais, foi possível preservar o Candombe, que festeja os ritos da terra africana e organiza as comemorações de Tangó ou Tamos.

Alguns anos mais parte, por volta de 1943, os irmãos Silva, Wellington, Raul e João Anjo criam a musica do Candombe. Conectada com as velhas tradições afro-uruguaias, torna-se o ritmo mãe do Bairro Sul já por volta de 1956.

As nações e o bairro sul

Os elementos das nações foram agrupando-se dando origem ao que hoje chamamos “Sociedade de Negros e lubolos”. Entre elas, destacam-se “Os Pobres Negros Cubanos”, “Os escravos de Nyanza”, “Os Guerreiro da selva Africana”. Depois, vieram a “Fantasia Negra”, a “Morenada”, a “Saudades Negras”, que se integraram ao carnaval uruguaio.

O Baluarte do Bairro Sul, berço principal do Candombe, está intimamente vinculado à nação  “Conventilho Meio Mundo”. Bastão do Bairro mãe, ali se tocava o tambor, se dançava e divertia-se, o povo acompanhava em desfile pelas estreitas calçadas das ruas e casas antigas.

O ritmo Mãe do Cordão

Na década de 1940, existia em Montevidéu o Conventilho Gaboto, que abrigava uma enorme quantidade de famílias. Ali moravam a família dos Pintos Alvim. O pai de tocava guitarra e o “Bandoneón” interpretando Tangos e Milongas nas reuniões e festas do Conventilho. Recebeu a visita dos tambores de corda do Cuarai e Ansina de João Anjo Silva, Julio Jimenez, os irmãos Pujol, a família Ouviedo e outros. Ao termino do toque retornaram ao Bairro Sul e Palermo. Os Irmãos Pintos aprenderam a tocar os instrumentos inicialmente reproduzindo o som dos tambores com a boca e voz em forma de capela pois não dispunham dos instrumentos para tocar. Surge então a ideia de fazer uma camadinha com dois tambores que eram de lata de óleo enormes, e um tamborzinho que emprestou-lhe um vizinho. Tinham onze anos. Quando puderam arrecadar o dinheiro para comprar tambores começam a percorrer os bairro. Tinham como toque de base o toque de Ansina, por tanto as crianças do Conventilho Gaboto criaram seu toque de Candombe baseando-se no de Ansina.

Saiam aos sábados a tocar e um dia decidiram ir ao Bairro Sul, percorrendo as ruas Ilha das flores e Gaboto. As seis crianças repartiram os tambores: dois tocavam o “repique”, dois o “piano” e dois o “Chico”. Aquiles tocava o repique e seu irmão Afonso o piano. Temiam a desaprovação da cuerda de Ansina. No entanto receberam aplausos e tiveram uma grande aceitação. Estas seis crianças foram os criadores do toque do Cordão, um dos três toques mãe do Candombe.

Os tambores de ansina e o bairro Palermo

É no começo do século XX que se inicia, pela participação de varias famílias do bairro (Gimenez, Suarez, Nazareno, Pujol, Gularte, Quiroz, Rada), a formação de grupos para executar o toque mais tradicional do candombe. Suas origens remetem ao Bairro Réus, ao sul, e mais particularmente à rua Ansina.

Os tambores de ansina são a semente cultural do Bairro Palermo, cujos ritmos compõem um dos três toques “mãe” do candombe. Um toque caracterizado pela força, velocidade, energia e “repiqueteo” coordenado de seus pianos.

Desde sua chegada à rua Ansina, os afro-uruguaios assentaram sua cultura e artes através de grandes comparsas que, através de quase um século, deram seu particular sentido de evolução rítmica, seu “Candombe Canção”.

*O texto acima foi composto a partir do material promocional do Grupo Assessor Del Candombe, que esteve recentemente em Porto Alegre para participar de atividades culturais.


0 comentário sobre “O Candombe, Patrimônio Cultural do Uruguai”

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

Diversidade Cultural

De Quem É o Poder?

A música Toda Forma de Poder da banda gaúcha Engenheiros do Hawaii diz que “toda forma de poder é uma forma de morrer por nada/ toda forma de conduta se transforma numa luta armada/ a história Leia mais…

Patrimônio Cultural

O que realmente importa no Patrimônio Cultural?

O que realmente importa no Patrimônio Cultural? Se você está lendo este post, é porque você se interessa por Patrimônio Cultural. Mas nem todo mundo se importa com esse tema. Aliás, a maioria das vezes Leia mais…

Patrimônio Cultural

Canoas: Interstícios de uma Ferrovia

Recentemente, os historiadores Israel Tavares Boff e Airan Aguiar, que desenvolvem pesquisas relativas a Canoas e ao contexto socioeconomico da região metropolitana no século XIX, escrutinaram vasta documentação do Poder Legislativo de Porto Alegre, encontrando Leia mais…