60762_10152161609670227_554971876_n[1]O “Musée de La Memóire Vivant“ (situado em Saint-Jean-Port-Joli, próximo a Quebec/Canadá) é uma instituição dedicada exclusivamente ao patrimônio imaterial, com testemunhos de histórias de vida que possibilitam conservar, investigar e desenvolver a memória pública, a fim de melhorar a sua compreensão e transmitir referências culturais para as gerações futuras.

A mansão, onde hoje abriga o museu, foi reconstruída em 2008, quase cem anos após  um grande incêndio. A casa dá continuidade  ao trabalho de seu antigo proprietário, Philippe Aubert de Gaspé, (nascido em 1786), o famoso autor dos romances “Les Anciens Canadiens” e “Mémoires”.

Philippe é elogiado até os dias de hoje, sendo considerado como um dos grandes clássicos da literatura do Quebec: “primeiro historiador das tradições populares”, “primeiras memórias do governo britânico”, “cronista da vida das elites e historiador da tradição popular”.

img_expo_stable03[1]

O museu apresenta-se atualmente com um espaço criativo que gera debates, promove rituais festivos e centra-se em histórias de vida, com depoimentos em todas as suas formas: oral, escrita, gráfica, audiovisual, digital.

Um dos últimos trabalhos apresentados e discutidos é o “Simpósio Internacional sobre Mediação e Criatividade em Turismo e Patrimônio”, uma programação realizada através do Instituto de Patrimônio Cultural da Universidade Laval/Quebec (uma das atividades da Escola de Verão 2013), do tendo como seu responsável, o professor Habib Saidi.

img_expo_philippe[1]

O museu oferece também um programa de memória viva do museu para escolas. Ele permite que os alunos participem de uma coletânea de depoimentos de idosos. Supervisionado pela equipe do museu, os estudantes contribuem para o desenvolvimento de questionários, realizando entrevistas e podendo testemunhar sobre vários temas.

Além disso, qualquer  pessoa que tenha uma prova “viva” pode realizar uma doação ao museu como forma de contribuição: fotos, cartas, filmes, gravações, álbuns de recortes, livros, memórias e desenhos.

“No Museu de memória viva, cada pessoa é importante. Cada um de nós tem uma história para contar. Todo mundo pode, se desejar, deixar um rastro…seja através de uma mensagem de áudio, a partir de fotografias, filmes antigos, escritos, desenhos ou outros objetos significativos, você está convidado a criar seu próprio museu”.

E você, que testemunho deixaria para as próximas gerações?

Para maiores informações e curiosidades, acesse o site: www.memoirevivante.org

Related Post


1 comentário sobre ““Musée de La Memóire Vivant”: Um museu de histórias vivas”

Nádia Maria Weber Santos · 21 de maio de 2013 às 02:50

Ficou ótimo! Irei lá em minha próxima ida ao Canadá!

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

Patrimônio Cultural

O que realmente importa no Patrimônio Cultural?

O que realmente importa no Patrimônio Cultural? Se você está lendo este post, é porque você se interessa por Patrimônio Cultural. Mas nem todo mundo se importa com esse tema. Aliás, a maioria das vezes Leia mais…

Patrimônio Cultural

Canoas: Interstícios de uma Ferrovia

Recentemente, os historiadores Israel Tavares Boff e Airan Aguiar, que desenvolvem pesquisas relativas a Canoas e ao contexto socioeconomico da região metropolitana no século XIX, escrutinaram vasta documentação do Poder Legislativo de Porto Alegre, encontrando Leia mais…

Literatura

Entrevista com Zilá Bernd: A representatividade de João Ubaldo Ribeiro

O baiano João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro,  escritor, jornalista e roteirista, formado em direito, faleceu no último dia 18 de julho de 2014. João Ubaldo era o 7º ocupante da cadeira número 34 da Academia Brasileira de Letras Leia mais…